Todo Dia, por David Levithan

20 agosto 2013

Todo Dia, por David Levithan
Galera Record, 280 páginas (parceria)
Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Primeiramente gostaria de deixar bem claro que minha resenha pode não estar à altura desse livro, talvez eu não consiga dizer tudo que deveria ser dito, mas vou dar o meu máximo.
Aquele poderia ter sido mais um dia como outro qualquer na vida de A, ele acorda no corpo de Justin e tudo que ele precisa fazer é agir como Justin por um dia sem interferir na vida dele, mas ao conhecer Rhiannon – a namorada dele – A não consegue agir como vem agindo há dezesseis anos. Ele visualiza a tristeza e a impotência da garota e quer saber mais sobre ela, e quer dar a ela um dia diferente, um dia que Justin não daria porque ele não é bom para ela.
E aquele único dia significa muito para ela, e por mais que A tenha se acostumado com o adeus, aquele dia também significa muito para ele. A não consegue se esquecer da garota, de como gostaria de estar com ela, mas é outro dia e ele já é outra pessoa. Dois dias depois ele não consegue, vai a sua procura, encontra Rhiannon na escola ele quer saber como ela está, o que Justin fez com ela no dia seguinte.
Mas não é suficiente, A faz de novo, vai a uma festa que sabe que ela estará lá, dessa vez ele é Nathan, a noite é divertida, porém A perde a hora e acaba deixando o garoto no acostamento. Não demora muito para as notícias começarem, Nathan acha que foi possuído pelo diabo. Não demora muito também para Rhiannon detectar a mentira que ele conta.
A não vê outra saída a não ser explicar para Rhiannon sua situação, como acorda em um corpo diferente e é uma pessoa diferente todo dia. A notícia de Nathan também está se espalhando, estão surgindo outras histórias. Será que A deveria ficar assustado? E Rhiannon, poderia aceitá-lo?
Todo Dia foi uma surpresa, não sabia o que iria encontrar nessas páginas, ao ler a sinopse pela primeira vez não estava lá muito atenta e não li quando ele chegou, li apenas a cartinha da editora. “É uma livro raro e valioso porque, embora tenha sido escrito para o público adolescente, apresenta lições que tocam todas as idades. Tanto é que emocionou toda essa editora.” Foram essas palavras que me fizeram ficar curiosa, e agora, após finalizar a leitura eu não posso deixar de concordar com elas.
A história é criativa e desmedida, não houve um momento em que eu tivesse acertado no que iria acontecer, este não é mais um livro clichê, ele é cheio de surpresas. As palavras sinceras da A nos fazem refletir, a verdade que elas passam, a forma delicada como são colocadas e que ainda assim é como um choque elétrico no nosso consciente.
Levithan levanta os velhos e ainda presentes tabus sobre drogas, depressão, família, e sobre o amor. Por que temos esse padrão de que um casal deve ser um homem e uma mulher? E se são gays por que um tem que ser o “macho” e o outro a “fêmea”? Por que não pode ser simplesmente amor? Estou encantada e ainda tentando assimilar tudo que li.
Tudo que A faz para estar com Rhiannon é um dia sequestrado de outra pessoa, um dia que o amor que ele sente por ela esta no comando. O problema é que ela não sabe como aceitar o fato de que A é uma pessoa nova todo dia, e que um dia pode ser uma menina ou um menino, e claro que os argumentos deles divergem quanto ao amor. Mas A ama Rhiannon e isso não tem como contra-argumentar.
Um dos dias que A estava no corpo de uma garota me deixou aflita, era uma garota que estava pensando em suicídio e que o pai não via ou não queria ver, e como A poderia ajudar essa garota.
“Eu sempre fico impressionado com pessoas que sabem que algo está errado mas ainda insistem em ignorar, como se isso, de alguma forma, fizesse com que os problemas desaparecessem. Elas se poupam do confronto, mas terminam ressentidas de qualquer maneira.” (Pág. 106)
Simplesmente colossal, uma leitura fluida e madura. Sinto um vazio agora que o livro acabou, queria mais, queria continuar lendo sobre o ponto de vista de A. Não tem como não fazer uma propaganda, por isso vou dar essa sugestão da melhor forma que posso dar: VÁ AGORA MESMO LER ESSE LIVRO! Super-Recomendo.

14 comentários:

  1. Segunda resenha que eu vejo e super positiva! Praticamente impossível não desejar né? haha

    www.resenhasealgomais.com.br

    ResponderExcluir
  2. Essas resenhas me deixando mais curiosa ainda rs
    Amei mesmo, já estou seguindo ♥
    http://www.sorrisoselivros.com/

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que enredo diferente, fiquei curiosa, você ficou bastante entusiasmada, parece ser o tipo de leitura que nos deixa instigados a saber mais, e mais.... até chegar ao final

    Gostei!

    Bjs
    Amanda
    http://leituraentreamigas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Essa é a segunda resenha que eu leio desse livro, e fico cada vez mais apaixonada. Preciso muito ler esse livro!
    Beijinhos!

    Camila.
    loucuradelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Raquel você acabou de me intrigada com este livro,e muito,mas muto curiosa para lê-lo.
    Ainda mais depois de que você mencionou a escrita da editora para você.
    Tipo estou naquela pergunta:quem realmente é A?Como se resolvera a sua vida com seu amor Rhiannon?Entre outras perguntas que estão martelando agorinha mesmo,enquanto estou escrevendo.hahahahaha
    Parabéns você acabou de me conquistar.Vou ler este livro e tirar minhas conclusões e perguntas não respondidas.

    Beijokas Ana Zuky

    Blog Sangue com Amor

    ResponderExcluir
  6. Apesar de não ter vontade de ler o livro, sua resenha me deixou curioso. rsrs!
    Parabéns pela resenha, www.likelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Estou sem palavras para comentar essa sua resenha, que na minha opinião foi a melhor resenha que já li de sua autoria. Simplesmente pelo fato de sua alegria ao escrevê-la, deu pra sentir isso entende?
    Tanto que desejo esse livro de verdade. Tudo que você mencionou me fez desejar ler o livro, puxa!!!!!
    Parabéns Raquel, você está se superando a cada dia amiga.
    Parabéns mil vezes. Beijão
    Vivi
    RR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vivi, fico tão feliz em ler isso! ♥

      Excluir
  8. A blogosfera em peso tá elogiando esse livro e eu até agora não me interessei. A história não me convence.
    De qualquer forma, ótima resenha Raquel! Uma das melhores que já li de você.
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi Raquel!

    Já tinha ouvido falar sobre o lançamento do livro e essa é a primeira resenha que leio. Fiquei apaixonada pela resenha, logo pela história e já coloquei na minha lista. Essa história parece incrível e diferente do que já vi. Você conseguiu me passar toda a emoção que sentiu ao ler.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Gosto de vir aqui, pois sempre tem resenhas de livros diferentes. Me interessei muito por ele, a ideia é muito boa. Acho que nunca li nada igual.

    http://blogprefacio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Fiquei curioso para ler esse livro q.q
    Depois de Will & Will fiquei interessado em ler mais coisas do David Levithan simplesmente porque o Will que ele fez era o mais legal =D
    Gostei da resenha!

    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  12. A capa é tensa, mas de resto ficou a sensação de uau, correr para o skoob para não esquecer desse livro!

    ResponderExcluir
  13. Poxa Raquel, se eu pudesse iria agorinha mesmo lê-lo! Fiquei aqui super tocada com a história e vc conseguiu mexer comigo ao falar sobre ela. Mega curiosa!
    E nossa, é bem verdade que as pessoas sempre querem taxar casais gays, tendo um sempre que ser o menino e o outro a menina, isso é horrível, pois muitas vezes eles não querem ser vistos assim e nós acabamos rotulando-os.
    Gostei dessa perspectiva, olhar apenas para o amor, independentemente dele vir de um menino ou uma menina. Muito lindo e inspirador. Entrou com louvor para a lista dos desejados.
    Bjokas flor.

    www.lerepensar.com

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !