Unison, por Andy Marino

25 dezembro 2012
Unison
Unison – A rede social do futuro, de Andy Marino
Jangada, 272 páginas (Parceria)
Todos estão obcecados com a Unison, a rede social que conhece você melhor do que você mesmo.  Vivendo na miserável Pequena Saigon, abaixo da grande cúpula que a separa da rica Cidade Litorânea do Leste, Mistletoe, uma garota de 15 anos de idade, só pode sonhar com o login que a levaria ao "mundo melhor" da Unison. Mas esses dois mundos se colidem quando Ambrose Truax, o herdeiro privilegiado do império Unison, é encontrado perambulando pelas ruas da subcúpula e Mistletoe o salva de suspeitos homens uniformizados. Logo eles dois descobrem que compartilham sonhos estranhamente parecidos, sugerindo um passado em comum que poderá revelar uma perturbadora realidade sobre suas origens.

Em um mundo completamente atualizado somos apresentados a Anna, ou melhor, Mistletoe. Ela mora na Pequena Saigon longe da rede social, mas rodeada de quinquilharias tecnológicas velhas de Jiri, o homem que cuida dela. Ela tem uma scooter da qual tem muito apego, Nelson, se separem os dois ela fica doida. Já Ambrose, mora do lado de cima, na Cidade Litorânea do Leste, ele não só tem o login no Unison, como também fiscaliza os outros logins pela rede. Mas será que ele está no lugar certo?
"De repente, Ambrose sentiu uma pontada simultânea de proximidade e de repulsa. Era a mesma sensação que sentia na infância, uma emoção de profundo conflito que ele nunca conseguira compreender. Mas tinha um único significado: seu irmão estava por perto. Ele quase podia sentir o cheiro de BetterMint extraforte." - (Página 132) (BetterMint - em inglês Menta Melhor)
Dois jovens, um passado, um segredo e uma caçada. No começo achei o livro bem estranho, por se tratar de um mundo totalmente novo para mim. Andy Marino criou um mundo dentro de uma rede social rica  em opções de entretenimento. A Unison não é apenas uma rede social, é sua casa, é você. Não dá para explicar sem soltar um spoiler.
As aventuras dos dois são muito fortes, teve muitos momentos em que ficava para roer minhas unhas vermelhas kk. Além dos personagens principais, temos outros com o mesmo peso de importância que fazem uma diferença e tanto, como o pai e irmão de Ambrose, e o tio e tia de Mistletoe. 
“Mistletoe sentiu o peso de seu próprio disruptor em torno do braço, por dentro da manga. Lutou contra o louco impulso de fechar o punho, engatilhar a arma e irromper porta afora, atirando. Sou eu quem vocês querem?”  (Página 207)
Há um companheirismo da parte deles muito fofa, porque o fato é que eles acabaram de se conhecer e ficou parecendo que já se conheciam, acho que isso foi o que o autor quis passar. 
O final me impressionou, digo, estou pasma mesmo porque foi quando esperava um desfocho muito inimaginável e ficou meio estranho. No decorrer do livro me senti primeiramente confusa, admirada com a criação do autor; e no final fiquei me perguntando "É isso?!" , porque foi um final corrido e um pouco estranho. Não posso falar para não soltar spoiler, mas posso dizer que a personagem muda em um ponto e não volta a ser como antes.
Acho que não vai ter uma continuação, o livro é pequeno e a leitura é bem interessante. Não me lembro de já ter lido algo que envolvesse uma rede social, um tipo de distopia que nunca imaginei! Sem falar na aventura, cheguei a pensar que não ia gostar, mas me encantei com a criatividade e como o autor desenvolveu essa trama.

10 comentários:

  1. gente só nao curti muito a capa '-'
    é meio estranha

    ResponderExcluir
  2. Gostei bastante de sua resenha, a forma como descreveu a história, mas não me cativei pela obra, me pareceu que o autor pegou informções sobre distopias e o mundo virtual e juntou tudo num emaranhado estranho, como você mesma disse, fica confudo, depois melhora e depois tem um fim estranho. Se cair em minhas mãos lerei, mas não me fisgou muito não =/
    Beijinhos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  3. Adorei o jeito que você detalhou o livro em sua resenha.Só...que não me seu aquele entusiasmo de ler ele,talvez seja porque não sou fã deste gênero. Mas o que vale é que a resenha esta ótima.

    Beijokas Ana Zuky

    ResponderExcluir
  4. Esse livro me lembrou 'Jogador nº 1', do Ernest Cline, que tem a mesma temática e foi uma das grandes surpresas para mim este ano!
    Adoro distopias, e você me deixou curioso a respeito desta! Ando meio desatualizado com as novidades literárias. rsrs
    Beijos,
    Vinícius - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
  5. Oi gostei da resenhas :) eu nao conhecia esse livros darei uma procurada para le-lo bjs,

    www.resenhasteen.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Não gostei nem da capa =/ Achei estranho.
    Sua resenha está linda, mas percebe um pequeno desânimo. Certamente a leitura não foi tão gratificante. Ou seja: NÃO VAI PARA MINHA LISTA.
    Tenho vários livros deste estilo. Alguns um pouco confusos, outros não.
    Beijos e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia este livro, a capa não me comprou muito, mas a resenha vendeu bem hahah

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia esse livro mas não me interessei muito. A capa não me chamou a atenção e nem a história.
    bjs

    entrepaginasesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. hum sabe eu nunca li um livro que fosse assim, sabe os personagens viverem em um mundo virtual, mas gostei muito desse parece ser uma boa pedida quando se trata desse assunto.

    ResponderExcluir
  10. adorei esse post, esse livro é interessante tema bom!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !