O Sonho de Ser Escritor, por Elder Prates

04 março 2012
O sonho de ser escritor
O sonho de ser escritor, de Elder Prates
Livro Pronto, 75 páginas (Parceria)
“Nem sempre somos dores, nem sempre somos fortes... E só seguimos, porque existem sonhos”. Sonhos... O que os definem e ou os diferem? Diferentes cérebros, conheceres, desejos, critérios, etc. Escrever um texto ou livro, com ou sem um verbete. Ser erudito ou comum, inscrito ou proscrito. Seguir simplesmente ou emergir do “mundo” do medo, despindo-se do obsoleto cruel que envolve e sucumbe sonhos. Um emergir em desejos prolíferos descritos em contos contíguos define seu norte. Ser escritor. Consciente do difícil percurso descreve seu ir e vir num frenético recomeço. Em trens, ônibus e metrôs expõe grilhões que ferem e reduzem o ser livre, porém contido, que no refúgio de seu loft, no conforto de seu “pufe” e em conjunto com seu notebook constrói o que premeditou. Do sonho pueril surge o inconteste. Despindo seres fictícios rompe com seus temores e conduz com lucidez o verbo ser, inscrito no presente e no futuro, descrevendo o efêmero, o infinito e, seus possíveis encontros consigo e com o mundo.
O livro é simples, o autor quis mostrar as dificuldades para aqueles que buscam uma carreira de sucesso no mundo literário. As dificuldades de escrever um texto que agrade, de encontrar uma editora que publique e após toda a jornada se destacar em meio a tantos outros autores e ser reconhecido. Essa história é narrada por Derel, que na verdade é Elder um garoto que desde pequeno tem o gosto pela leitura e surge assim seu sonho de ser escritor.
Outro problema que surge no decorrer do livro é a falta de alguém para incentivar aquele escritor (o mesmo ocorre comigo aqui em casa, mas eu tenho amigos que fazem isso e me deixam satisfeita).
É engraçado porque antes de ter um blog ou escrever meus contos eu pensava que autor apenas escrevia publicava e lá estava, e hoje em dia vivo num mundo diferente, é bem mais complicado isso.
O livro é bem curto, e flui bem rápido, em apenas um dia dá para ler e se for ler uma segunda vez a história vai continuar sendo boa. Ele não só incentiva a quem quer ser escritor, mas a todos os sonhos: “Seguirei em frente com meus quereres, pundonoroso com meus sonhos e, espero que você querido leitor, do mesmo modo busque os seus.”
  

3 comentários:

  1. Esse livro parece ser bom mesmo!


    http://bruna-morgan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Só faltou dizer que não há letra "a" no livro... E na verdade, enfrentar esse desafio foi o maior propósito deste livro. Quase uma insanidade...rs, rs...
    Obrigado mais uma vez pelo espaço em seu blog, querida Raquel!
    Graaaaaaaande beijo.

    Elder Prates - www.elderprates.com

    ResponderExcluir
  3. Raquel!
    Os questionamentos do livro devem ser pertinentes de verdade, pois é complicado ser escritor no nosso Brasil. O mais importante é que as editoras parecem ter aberto os olhos e muitos escritores nacionais tem sido editados.
    Os livros do Elder são curtinhos, não é? Devem ser bons de leitura.

    Passando para desejar o que há de melhor para todas nós, mulheres fortes e uma semana de muitas realizações, cheia de amor no coração, luz e paz!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !